O Grupo de Trabalho  Memórias e Negritude do LABxS vai iniciar suas atividades nos dias 21, 22 e 23/6 com três dias de atividades na sede do Lab Santista (veja programação completa no final da matéria).

A formação do GT surgiu para aumentar a diversidade e  debater a questão racial dentro da temática do comum. E também para construção de repertório e memória do território e da produção cultural histórica e contemporânea da Baixada Santista  a partir da história de pessoas negras.

O GT terá como guardião o Grupo Acotirene’s, idealizado por Marina Pereira, produtora do IP, Marília Fernandes, educadora e dançarina, Simone Santos, dançarina e secretária escolar.

O coletivo surgiu no começo de 2018 como um espaço de fortalecimento do compartilhamento de saberes e promoção da produção cultural negra,. O grupo entende que essa produção cultural forte é consolidada e existe há muitos anos, mas sofre com o apagamento histórico e social. Por isso a importância em afirmar  a história da cultura negra na Baixada Santista.

“Identificamos a dificuldade de contar e elaborar a linha do tempo de nossa própria história como povo negro” , conta Marina Pereira.

Ela também lembra que essa dificuldade não existe o somente na história da cultura negra, mas na história de Santos e da Baixada Santista, da memória da cidade e região. “Praticamente não existem registros dos movimentos culturais, religiosos, grupos, pesquisas e estudos que surgiram aqui. Como o terreiro Ilú Oyá Messã Orum – fundado por Pai Bobó de Iansã, em Vicente de Carvalho, Guarujá, o primeiro terreiro de candomblé registrado no estado de São Paulo”, conta.

O Grupo de Trabalho atuará em três frentes: um grupo de estudos com reuniões, debates e textos sobre negritude e questão racial; mapeamento territorial, para conhecer pessoas e lugares onde a memória negra é construída no cotidiano; e produção de agenda de ações culturais negras para celebrar o encontro.

Primeiras atividades no LABxS

As primeiras atividades do Grupo de Trabalho vão acontecer nos dias 21, 22 e 23 de junho na sede do LABxS (Lab Santista) (rua Sete de Setembro, 52, Santos-SP).

Na quinta-feira, 21/6, das 19h ás 21h, acontecerá o lançamento do livro Frantz Fanon – Um revolucionário particularmente negro, de Deivison Mendes Faustino, com roda de conversa sobre o livro com presença do autor.

A segunda atividade, na sexta-feira, dia 22/6, das 19h às 21h, será a leitura dramática de Como Ser Negro ou Matéria Escura, com Marcelo Ariel, escritor, poeta e performer de Cubatão-SP.

Já no sábado, 23/6, das 14h às 19h, acontecerá uma roda de conversa de cultura e negritude com exibição dos curtas Ana, e Estigma, ambos produzidos pelo Instituto Querô, Oficinas Querô e apresentação do grupo de capoeira Meninos Guerreiros com Mestre Geraldo e Mestre André (Cubatão-SP) por fim, apresentação do DJ Maurão, do coletivo Futurafrica.