Um cego vai caminhar com sua bengala em uma rua movimentada em um horário de caos urbano. Ele guiará em seu trajeto, um voluntário vendado que estará com a mão em seu ombro, e atrás desse, outro, e outro, e outros…

Podendo envolver até 20 voluntários diretamente em cada etapa, que dura em torno de 1h, a performance é formada por um ou mais cegos guias, e por voluntários que se tornam atores da obra, ao passo que, vendados e guiados em um percurso urbano, experimentam a empatia, e transmitem suas sensações após o término da performance.

O público afetado indiretamente durante a intervenção, receberá um panfleto com informações sobre o projeto, informações sobre o lançamento da exposição Marcha Cega, e que conterá uma lista de entidades que apoiam as minorias sociais

ETAPAS PREVISTAS:
1 – Formação da equipe, 2 fotógrafos, 1 cego guia e um mediador que assegure a integridade física dos participantes
2 – Divulgação e inscrição dos participantes
3 – Planejamento dos locais das performances e da exposição
4 – Execução das duas performances
5 – Abertura da exposição com depoimentos dos participantes e discussão com o público acerca do tema do projeto

 

Participantes:
Lucas Gonçalves Brolese
Juliana Tavares – Mediadora
Helena Alba – Fotógrafa

Área de atuação: Arte Engajada

Website: lucasbrolese.com

Facebook: http://www.facebook.com/lucas.brolese