“Desejo que durante os 30 dias de residência possamos não só aprender a olhar de uma outra maneira para os espaços públicos, senão também olhar de uma outra maneira para as nossas práticas artísticas e os modos como habitamos a cidade. Quem sabe, consigamos também entender como nossas práticas com-põem a cidade que habitamos, para depois decidir se queremos continuar participando dessas com-posições”, Santiago Cao, sobre suas expectativas para Programa Residências LABxS 2018.
Período da residência: 27 de julho a 25 de agosto de 2018.
Biografia
Santiago Cao (Buenos Aires, Argentina, 1974). Artista de Performance, professor e pesquisador de espaços públicos. É Mestre em Urbanismo pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), Salvador, Brasil. Possui Graduação em Artes Visuais pelo Instituto Universitário Nacional da Arte (IUNA) de Buenos Aires, Argentina. Cursou também o bacharelado em Psicologia e possui experiência em poesia, teatro de rua e clown. Trabalha com Cartografias Sensíveis e suas pesquisas se baseiam em torno dos Corpos nos espaços públicos, as “normas” que neles se ativam, e alguns possíveis modos de desviá-las através da Performance, as com-posições urbanas e de estudos filosóficos.
Mais informações, textos escritos e registros de ações nos links:
ATIVIDADES ABERTAS AO PÚBLICO NO LABXS

Durante sua estadia, o Santiago vai interagir com o LABxS e o território a partir de sua metodologia de Cartografias Sensíveis para espaços públicos. Sua proposta é um Laboratório de form(a)ação e pesquis(a)ação com Cartografias Sensíveis para a investigação de espaços públicos próximos ao Lab Santista (Centro de Santos) para com essas informações criar e produzir dispositivos performáticos a serem acionados nesses espaços específicos.  Os encontros serão entre 27 de julho e 25 de agosto, sempre as sextas, sábados e domingos, das 15 às 19h. As vagas são limitadas a 20 e é importante o comprometimento com o processo todo. 

Inscreva-se agora

 

Mais informações do projeto:

CARTOGRAFIAS SENSÍVEIS PARA A INVESTIGAÇÃO COM PERFORMANCE EM ESPAÇOS PÚBLICOS

Coordenação: Santiago Cao

Oficina-Laboratório de form(a)ação e pesquis(a)ação com Cartografias Sensíveis para a investigação de espaços públicos próximos ao Lab Santista (Centro de Santos) para com essas informações criar e produzir dispositivos performáticos a serem acionados nesses espaços específicos.  

27 de julho a 25 de agosto de 2018 (encontros nas sextas, sábados e domingos, das 15 às 19h)

A metodologia das Cartografias Sensíveis se propõe como um meio possível de ativar “escutas” nos territórios que pretendemos agir, tanto com práticas artísticas quanto com políticas de gestão cultural e urbanismo. Ou ainda outros tipos de práticas que não necessariamente pertençam a esses campos, mas que também se proponham não só a dizer quanto também a escutar os territórios com a intenção de construir neles relações não hegemônicas. Porém, uma escuta sensível, através da afetação corpo-a-corpo. Uma escuta que requer sensibilidade para poder cartografar as práticas e usos dos espaços que com-põem os fluxos de movimentos naquelas partes das cidades. Práticas que são discursos em ação e que precisam ser “ouvidos” de uma maneira que não seja só racional.

A proposta é compor um grupo misto (máximo 20 participantes) com pessoas de diferentes zonas da cidade, porém, que tenham alguma relação com os territórios do entorno do LABxS. Essa relação pode ser por residência, trabalho, estudo, vínculos familiares, afetivos, ou por frequentarem aqueles espaços por algum outro motivo. Esta é uma proposta aberta a artistas e outros agentes das comunidades, profissionais ou não.

Durante as primeiras duas semanas, trabalharemos num processo de formação na metodologia das Cartografias Sensíveis, para depois, com essa ferramenta, nos focar em pesquisar os afetos presentes no território das imediações do LABxS (entendendo o afeto como “aquilo que afeta” e que tem a capacidade de potencializar ou despotencializar a vida). Durante a oficina-laboratório com as cartografias, serão realizados exercícios corporais preparatórios (a fim de possibilitar entender através do corpo os conceitos propostos e as relações que operam no território), e derivas nos espaços públicos próximos para, com a percepção sensível, observar essas relações sutis que normalmente passariam despercebidas para um olhar menos apurado.

Neste sentido, as Cartografias Sensíveis serão propostas como um movimento de pesquis(a)ação, um pensar-em-movimento, através do qual procuraremos revelar informações que permitam criar ações performativas de com-posições urbanas numa relação de escuta próxima com esses territórios, os quais serão motivadores para as práticas artísticas acontecerem aí.

 

Assim, ao longo de 1 mês iremos desenvolver:

– 1 oficina de “Cartografias Sensíveis em espaços públicos”, de 7 dias de duração (distribuídos em duas semanas, ocupando as sextas, sábados e domingos, no horário das 15 às 19h)

– 2 práticas de Cartografias Sensíveis (nas imediações do LABxS)

– 3 encontros dedicados à criação de ações performativas propostas no sentido de com-posições urbanas (sexta, sábado e domingo) e o posterior acompanhamento e assessoramento na produção dessas propostas

– 1 dia de ações performativas a serem acionadas nos territórios próximos ao Lab Santista, criadas segundo os conteúdos das cartografias realizadas.

– 1 encontro final para avaliar coletivamente o processo todo e trocar ideias a respeito. Para o encerramento será proposto um piquenique em algum espaço público, de preferência próximo ao LABxS.