VAL SOUZA, São Paulo, Brasil.
Período da Residência: 1/10 a 29/10.
Val Souza é mulher negra, que tem se dedicado a criação artística como performer e como pesquisadora. Nascida em São Paulo, passou grande parte de sua vida morando na zona sul da capital paulista e desde cedo percebeu que seu corpo tinha potencial de dizer e informar muito mais do que ela mesma conseguia explicar.
Mestranda em Dança pela Universidade Federal da Bahia, em suas apresentações, confronta as representações e signos destinados aos corpos de negros, desenvolvendo trabalhos onde seu corpo é a principal ferramenta.
A partir de experiências pessoais, provoca e propõe um questionamento forte e ao mesmo tempo poético, suas obras propõem pensar a própria experiência de sua presença negra e sua poética está em criar constrangimento, afetações, e mostrar o racismo estrutural desse país.
Integrante do coletivo visitante Goethe Institut Bahia e artista convidada do Sacatar Foundation 2018 e LabX Santista e Instituto Procomum 2018.
“Gostaria de encontrar pessoas dispostas e disponíveis para diálogos, entre comuns e diferentes. No meu entendimentos a diferença não nos coloca em caminhos opostos. Quero entender e conhecer a história negra e feminina de Santos e também perguntar a todos vocês: O que vocês enxergam ao ver uma mulher negra?
Durante a residência, me proponho olhar com atenção e profundidade as questões que afetam a cidade de Santos e auxiliar e promover ações que possibilitem que vidas negras sejam reconhecidas como humanas. No meu papel de mulher negra a minha atenção e meu foco permanece em mulheres, e com o auxilio do Coletivo Acotirenes minha intenção é aprofundar o debate sobre a relação de ser mulher negra e expandir esses diálogos“, Val Souza.